Google+

Meditação

images-252520-25252828-252529_thumb-25255B1-25255D

Praticando a meditação – Desfazendo-se dos sentimentos e emoções reprimidas.

Se conseguirmos reconhecer e transformar os nós interiores, descritos no texto “Os 10 nós interiores”, que estão no fundo da nossa consciência, isto levará a liberdade e à cura. É a transformação de base, que busca a raiz destes nós interiores que estão no lugar mais íntimo da estrutura da nossa consciência.

Tweet


Praticando a meditação

Desfazendo-se dos sentimentos e emoções reprimidas

Os desejos, medos e sentimentos que são reprimidos, ficam como sementes que não recebem oxigênio e água para crescerem e transformarem em algo belo. O resultado disso são os sintomas que surgem no corpo e na alma, distorções da realidade e disfunções que adoecem o ser como um todo.

Praticando a meditação – Desfazendo-se dos sentimentos e emoções reprimidas.

Muitas vezes não queremos encarar os sentimentos de dor e emoções negativas, temos o hábito de agir como se elas não existissem ou não tivessem tanta importância, e esquecemos e viramos as costas acreditando que elas passam se consumirmos mais coisas. Uma maneira de fugir desses sentimentos de dor.

Assistimos aos programas de televisão, ouvimos rádio, folheamos livros, lemos jornais, conversamos, jogamos cartas e bebemos bebidas alcoólicas, tudo para esquecer.

Praticando a meditação – Desfazendo-se dos sentimentos e emoções reprimidas.

Chega uma hora que não há mais como preencher o vazio e tudo parece não satisfazer mais, então surgem os sintomas de doenças no corpo. Nesta hora a repressão não é mais suficiente, e temos que reconhecer estas formações mentais reprimidas e transformá-las em algo bom e positivo.

Meditar mesmo que seja por cinco ou dez minutos diários pode ajudar a diminuir a energia mental negativa que alimenta sentimentos e emoções venenosas e também é uma maneira de não reprimir estes sentimentos de sofrimento. Aos poucos estas energias mentais negativas vão diminuindo até desaparecerem, pois cederão espaço às energias mentais positivas.


por Rodrigo Longo

Tweet

 Veja Também!

Dicas de meditação – Despertando a consciência

Como aproveitar melhor a meditação!

A prática da meditação – Os 10 nós interiores

O sofrimento – O caminho para a realização espiritual

A mente de renúncia – O desapego da ignorância e do sofrimento

Dados do Artigo:

Praticando a meditação – Desfazendo-se dos sentimentos e emoções reprimidas.
Espiritualidade
Os sentimentos e emoções reprimidas podem gerar distorções da realidade e disfunções que podem adoecer o corpo e a alma. Saiba mais!

Fontes:
MEDITAÇÃO E CURA!
16 de setembro de 2013 – Disponível em:  http://budavirtual.com/2013/09/16/meditacao-e-cura/

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
images-252520-25252826-252529-25255B5-25255D

A prática da meditação – Os 10 nós interiores

A meditação é capaz de despertar a nossa consciência para os nossos nós interiores e complexos de identidade. Os nós interiores são um conjunto de ilusões, repressões, medos e ansiedades que se cristalizaram no lugar mais íntimo e profundo da nossa consciência. Estes nós são capazes de nos constranger e nos levar a fazer, dizer e pensar coisas que na realidade não queremos fazer, dizer ou pensar. Saiba mais sobre os 10 nós da consciência!

Tweet


A prática da meditação – Os 10 nós interiores

Os nós interiores são plantados e alimentados pela falta da nossa consciência desperta durante toda a nossa vida, e são:

Ganância;A prática da meditação - Os 10 nós interiores

Ódio;

Ignorância;

Vaidade;

Desconfiança;

Fixação no corpo como se fosse o eu (falta de percepção do eu físico, mental, emocional e espiritual);

Pontos de vista extremados e preconceitos;

Apego a ritos e rituais;

Ânsia de imortalidade;

Desejo ardente de manter as coisas exatamente como são (comodismo).

A nossa saúde e felicidade dependem em grande parte da nossa habilidade em transformar esses dez nós interiores.

 A prática da meditação - Os 10 nós interiores

A mente alerta consegue identificar os nós interiores quando eles aparecem na nossa consciência. Esses nós se formaram no passado e grande parte deles são energias transmitidas por nossos pais e avós. Mas nem sempre precisamos cavar os buracos emotivos das nossas lembranças para descobrir as raízes destas perturbações da nossa mente. Aquele que desperta a sua consciência é capaz de reconhecer as formações interiores no momento em que elas se manifestam e consegue olhar profundamente para dentro delas, a fim de enxergar as raízes desses nós emaranhados.

A prática da meditação nos ajuda a correlacionar fenômenos e a interdependência entre eles. Não há fenômeno, seja ele humano ou material, que possa aparecer por si só e durar por si só. Uma coisa depende da outra para surgir e durar, portanto, não há efeito sem causa. Assim para atingir o ápice da meditação e resolver os nossos distúrbios internos, devemos entrar em contato com as causas responsáveis por nossas emoções, nossos sofrimentos e nossas necessidades mais íntimas e analisar a correlação entre elas, através da consciência desperta e da reflexão íntima do nosso eu.

por Rodrigo Longo

Tweet

 Veja Também!

Dicas de meditação – Despertando a consciência

Como aproveitar melhor a meditação!

Prática da meditação – Os tipos de consciência

O sofrimento – O caminho para a realização espiritual

A mente de renúncia – O desapego da ignorância e do sofrimento

Dados do Artigo:

A prática da meditação – Os 10 nós interiores
Espiritualidade
Os nós interiores são um conjunto de ilusões, repressões, medos e ansiedades que se cristalizaram no lugar mais íntimo e profundo da nossa consciência. Saiba mais!

Fontes:
MEDITAÇÃO E CURA!
16 de setembro de 2013 – Disponível em:  http://budavirtual.com/2013/09/16/meditacao-e-cura/

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
download-252520-25252815-252529-25255B11-25255D

Como aproveitar melhor a meditação!

É importante saber o objetivo que se deseja atingir com a meditação e a condição mental que buscamos alcançar. Por isso, saber o real objetivo de cada meditação garante a nossa mente conseguir a conclusão correta e não uma conclusão incorreta ou irrelevante.

Tweet


Como aproveitar melhor a meditação!

Conclusões erradas na meditação podem nos deixar para baixo devido à falta de compreensão do nosso eu e do que se quer alcançar com a meditação. Mas qual é a conclusão, onde queremos chegar com a meditação?

Como aproveitar melhor a meditação!

Para responde esta pergunta é preciso, através da própria meditação,  entender que a mente centrada no ego é o verdadeiro inimigo que destrói a nossa felicidade. Colocar o ego como o centro de tudo é um erro, pois o ego não é parte do meu eu, não é quem eu sou. É um pensamento incorreto, profundamente enraizado e que cria problemas. Ao invés disso, preciso abandonar o egocentrismo, desagarrar do ego como centro do nosso eu.

Como aproveitar melhor a meditação!

Por exemplo, ao meditar sobre as desvantagens do pensamento centrado no ego, nossa mente pode distorcer essa meditação e concluir: “sou uma pessoa horrível por ser tão egoísta”. Essa é a conclusão errada que se chega com essa meditação. O objetivo da meditação não é nos colocarmos para baixo, isso é um velho hábito que já tínhamos e que se não compreendermos a finalidade da meditação ele vai se repetir sempre.

Portanto, ao invés de continuar acorrentado pelos velhos hábitos de pensar e sentir negativamente, podemos nos libertar disso tudo dizendo para nós mesmos: Já que quero ser feliz, vou compreender minhas atitudes egoístas pelo que elas são, e vou parar de segui-las! Em vez disso, vou cultivar o amor e a compaixão por todos os seres. Essa é a conclusão que todos nós queremos chegar.

Por Rodrigo Longo

“A meditação não é uma prática para tentar atingir o êxtase, bem-aventurança espiritual, ou tranquilidade, nem é a tentativa de se tornar uma pessoa melhor. é simplesmente a criação de um espaço em que somos capazes de expor e desfazer os nossos jogos neuróticos, dos nossos autoenganos, nossos medos e esperanças escondidas”.

(Chogyan Trungpa)

Tweet

 Veja Também!

Dicas de meditação – Despertando a consciência

A prática da meditação – Os 10 nós interiores

Prática da meditação – Os tipos de consciência

O sofrimento – O caminho para a realização espiritual

A mente de renúncia – O desapego da ignorância e do sofrimento

Dados do Artigo:

Como aproveitar melhor a meditação!
Espiritualidade
Confira algumas dicas para aproveitar melhor a meditação e alcançar o objetivo desejado!

Fontes:
MEDITAÇÃO E CURA!
16 de setembro de 2013 – Disponível em:  http://budavirtual.com/2013/09/16/meditacao-e-cura/

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
images-252520-25252814-252529-25255B4-25255D

Prática da meditação – Os tipos de consciência

Para praticar a meditação vimos que é necessário conhecer os caminhos da mente, como funciona o fluxo mente – emoção – corpo. A consciência desperta para este fluxo nos leva ao contato íntimo com os nossos nós interiores através da meditação, que busca desfazer estes nós e resolver ilusões emocionais, frutos de nossa ignorância, e assim, alcançar a paz de espírito e a felicidade.

Tweet


Prática da meditação

Os tipos de consciência

O budismo fala dos seguintes dos tipos de consciência:

Consciência dos cinco sentidos

A visão, audição, olfato, paladar e tato. Este tipo de consciência é a mais superficial das consciências, pois permite somente o contato com o mundo externo e material. Este tipo de consciência percebe o corpo físico e não perceber os outros tipos consciências, pode resultar o que chamamos de “ilusão de ótica” da percepção do todo corpóreo (físico, mental, emocional e espiritual).

Consciência de identidade

É a consciência que existe um eu separado, independente e duradouro, contrário àquelas coisas que não são o eu. Por exemplo, quando compramos coisas para o nosso prazer e conforto, como um carro, uma roupa bonita, um celular, pensamos que aquele desejo está relacionado ao eu, pois achamos que o nosso eu, para ser completo, necessita de coisas e pessoas.

 

Prática da meditação - Os tipos de consciênciaAssociamos o status ao nossos eu, associamos o relacionamento com outra pessoa com a felicidade do nosso eu, associamos a autoestima com bens materiais como forma de completar o o valor do nosso eu, enfim, projetamos o conceito de identidade do nosso eu nas coisas e pessoas. Podemos também associar emoções e sentimentos com o nosso eu, como a raiva, a inveja, o desejo, entre outros, como parte formadora do nosso eu. É comum ouvir as pessoas dizerem: Ah! Eu sou assim mesmo!

Não somos assim! Na verdade o nosso eu carrega tudo isso ao longo da nossa vida, como um imã que vai atraindo os metais que estão por perto. Quando o imã está coberto de metal, parece que o imã e os metais são uma coisa só, mas não, o imã é uma identidade separada dos metais e os metais são só partes agregadas a ele, mas não fazem parte da sua composição. O nosso eu é uma identidade separada e independente das coisas, pessoas, emoções e sentimentos, e estas coisas uma hora fazem parte da nossa vida, e outra hora elas se vão.

Depósito de consciência

É tudo o que colocamos na nossa consciência. É como um jardim que contém todo tipo de sementes onde, o jardim é a nossa consciência e as sementes são as coisas, experiências, emoções e sentimentos que vamos depositando nela.

Consciência da mente

É como o jardineiro que cuida das sementes depositadas no jardim. A consciência da mente trabalha o tempo todo, plantando, cuidando e excluindo pensamentos, sentimentos e emoções.

por Rodrigo Longo

Tweet

 Veja Também!

Dicas de meditação – Despertando a consciência

Como aproveitar melhor a meditação!

A prática da meditação – Os 10 nós interiores

O sofrimento – O caminho para a realização espiritual

A mente de renúncia – O desapego da ignorância e do sofrimento

Dados do Artigo:

Prática da meditação – Os tipos de consciência
Espiritualidade
Conheça os tipos de consciência e os caminhos entre mente – emoção – corpo, necessários para a prática da meditaçãoe para o contato íntimo com os nossos 10 nós interiores da consciência!

Fontes:
MEDITAÇÃO E CURA!
16 de setembro de 2013 – Disponível em:  http://budavirtual.com/2013/09/16/meditacao-e-cura/

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
images-252520-25252831-252529-25255B4-25255D

O sofrimento – O caminho para a realização espiritual

Os efeitos de uma boa meditação são muitos, dentre eles, a serenidade que se consegue no momento em que estamos com a mente quieta. Mas todos nós, seres humanos, somos portadores de sofrimentos e angústias que carregamos durante a jornada da vida e a meditação busca melhorar esse contato com nós mesmos, a fim de, gradativamente, eliminar estes sofrimentos e angústias e alcançar a paz de espírito.

Tweet


O sofrimento

O caminho para a realização espiritual

Um dos grandes problemas de quem começa a praticar a meditação é pensar que atingiu algo, ele senta-se e pensa – Ah, eu consegui mais serenidade, ou então – Que bom, eu pratico a meditação e sou mais sereno, sou mais “zen” – como se diz na gíria. Mas isso não tem nada a ver com o zen. Adquirir serenidade é uma prática que pode ser feita de muitas formas e não precisa necessariamente ter um objetivo espiritual, pois a serenidade é apenas um estado de quietude da mente.

Como lidar com os sofrimentos através da meditação

Assim a primeira coisa a fazer quando se pratica a meditação é sentar e ficar quieto. Os mais experientes ficam em média 40 minutos sentados quietos, mas os iniciantes, se não conseguirem ficar esse tempo, 10 a 15 minutos, já é um bom começo. Há pessoas que desistem na primeira tentativa, pois desejam resultados imediatos, mas o Zen não é para aqueles que querem o caminho mais fácil e buscam resolver os problemas instantaneamente. O Zen é para as pessoas com a cabeça em chamas. O que mobiliza as pessoas à realização espiritual são as angústias e sofrimentos.

O sofrimento – O caminho para a realização espiritual

Deve haver o desejo de buscar algo maior que mobiliza a prática da meditação como meio de libertação dos sofrimentos, angústias e inquietudes. Por isso é que o sofrimento é o caminho para se alcançar a realização espiritual e o corpo humano é a grande oportunidade, pois os homens têm as duas coisas, prazeres e dores.

Mas durante a meditação é muito difícil não pensar em nada, mesmo que seja uma coisa banal e sem importância, estamos o tempo todo pensando e com a mente trabalhando. O Monge Genshô diz que o objetivo não o é pensar em não pensar e que, quando está em meditação, “não se trata de “não pensar”, mas sim de ficar prestando atenção completa a este momento presente, que é a forma de pensar, não elaborando, não julgando, não conversando consigo msmo, não usando palavras nem nada, apenas percebendo”.

Dessa forma, a nossa mente está sempre em funcionamento, em constante mutação e desenvolvimento, vigilante a atenta. E a meditação é isso, a necessidade de vigília, de atenção e mente alerta.

O sofrimento – O caminho para a realização espiritual

Muitos são os sofrimentos e dores humanas e a insatisfação que consome a nossa energia, é fruto das atividades e estilo de vida dom mundo contemporâneo. Imaginamos que, mais ou menos conscientemente, quanto mais multiplicamos nossas atividades, mais sensações se intensificam e mais a nossa insatisfação é reprimida. Na realidade, muitos são aqueles que estão à deriva, sem rumo, pois não veem outra forma a não ser aceitar o modo de vida atual. Sentem-se desarmados, mas não veem outra solução, pois o estilo de vida e as práticas que visam a transformação do ser estão fora de moda, além de serem opostas ao comodismo e as facilidades que a vida contemporânea prega.

As técnicas de meditação visam transformar a mente. Não é necessário atribuir-lhes um rótulo religioso particular. Cada um de nós tem uma mente, cada um pode trabalhar com ela.

por Rodrigo Longo

Tweet

 Veja Também!

Dicas de meditação – Despertando a consciência

Como aproveitar melhor a meditação!

A prática da meditação – Os 10 nós interiores

Prática da meditação – Os tipos de consciência

A mente de renúncia – O desapego da ignorância e do sofrimento

Dados do Artigo:

O sofrimento – O caminho para a realização espiritual
Espiritualidade
A meditação busca melhorar o contato com nós mesmos, a fim de, gradativamente, eliminar os sofrimentos e angústias e alcançar a paz de espírito. Saiba mais!

Fontes:
MEDITAÇÃO E CURA!
16 de setembro de 2013 – Disponível em:  http://budavirtual.com/2013/09/16/meditacao-e-cura/

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
mente

A mente de renúncia – O desapego da ignorância e do sofrimento

É possível atingir a liberdade da nossa consciência e ter uma relação amigável com nós mesmos. É possível apreciar a vida como uma dança que flui naturalmente, sem compassos, sem coreografias pré-estabelecidas e sem o apego ignorante às formas ilusórias das coisas.

Tweet

A mente de renúncia

O desapego da ignorância e do sofrimento

Para atingir a liberdade da nossa consciência e ter uma relação amigável com nós mesmos precisamos desistir de “agarrar” para não fazer tudo do jeito que imaginamos em nossos devaneios.

O sofrimento é causado pela ignorância em agarrar as coisas, no apego pela noção de como imaginamos que deveria ser. O resultado disso é o “sofrimento do sofrimento”. O sofrimento por si só não é tão ruim, o que é ruim é o ressentimento contra o sofrimento que é a verdadeira dor.

 A mente de renúncia – O desapego da ignorância e do sofrimento

Ficar chateado, irritado e agitado mostra que eu não tenho a mente de renúncia. A mente de renúncia consiste na compreensão de que tudo o que nos leva a perder a paz não é grande coisa e não vale a pena. Na medida em que vamos nos acostumando com essa ideia, vamos adquirindo a mente de renúncia. Se não conseguimos renunciar os pensamentos e sentimentos negativos da nossa mente, pelo menos tentamos ver por que transformamos tudo em uma coisa tão grande. Este é um modelo de como invocar a mente de renúncia.

Vejamos um exemplo: Para uma pessoa que anda pelo deserto, tudo o que é aquoso ou lembra água é a coisa de mais valor para ela. Por mais que seja uma mera miragem, o único desejo é aproximar-se da água. Se a pessoa não compreende que tudo isso é só uma miragem, tudo o que ela vai ter é uma grande frustração. Assim, saber que é só uma miragem é a descoberta da mente de renúncia, que consiste no desapego das coisas que nos levam ao desapontamento e que são apenas ilusões causadas pela nossa ignorância.


A mente de renúncia – O desapego da ignorância e do sofrimento

Muitas vezes entendemos a renúncia como abrir mão de algo, mas na verdade, como no exemplo da miragem, não abrimos mão de nada, pois não há nenhuma água, é só uma miragem. Então, não abrimos mão das ilusões que nos apegamos, pois elas são falsas e não existem de fato, são distorções da realidade. A pessoa só precisa despertar para o saber, enxergar as miragens da vida e quando isso acontece, não precisa de renúncia, pois no momento que a pessoa entende que é só uma miragem, é mais provável que ela nem vá até lá porque sabe que é falso, ou mesmo que vá, não há frustração, pois já sabia o que havia ali.

A mente de renúncia não tem nada a ver com sacrifício. Quando falamos sobre renúncia, de algum modo ficamos todos assustados porque pensamos que temos que abrir mão de alguns bens, algo valioso, algumas coisas importantes. Mas não há nada que seja significativamente importante. Na verdade abrimos mão de uma identidade, não abrimos mão de determinada coisa ou pessoa, mas do significado dela em nossa vida, do que ela representa para nós.

por Rodrigo Longo

Tweet

 Veja Também!

Dicas de meditação – Despertando a consciência

Como aproveitar melhor a meditação!

A prática da meditação – Os 10 nós interiores

Prática da meditação – Os tipos de consciência

O sofrimento – O caminho para a realização espiritual

 

Dados do Artigo:

A mente de renúncia – O desapego da ignorância e do sofrimento
Espiritualidade
A idéia da mente de renúncia não tem nada a ver com sacrifício, mas com abrir mão do significado das coisas, de dar uma nova identidade às coisas que damos valor e que são importantes para nós. Saiba mais!

Fontes:
MEDITAÇÃO E CURA!
16 de setembro de 2013 – Disponível em:  http://budavirtual.com/2013/09/16/meditacao-e-cura/

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
images-252810-2529

Dicas de meditação – Despertando a consciência

Pode-se entender por pensamentos o barulho mental que fazemos o tempo todo, mas se esses pensamentos estão diretamente relacionados às questões emocionais, cedemos um espaço exclusivo na nossa mente a eles, o que reflete na nossa vida como um todo.

Tweet

Dicas de meditação

Despertando a consciência

Priorizamos o que chamamos de emoção devido a forte influência que ela exerce na nossa mente. Mas privilegiamos a emoção porque acreditamos que ela é de fato real, o que provoca distorções da realidade, pois na verdade a emoção nada mais é do que uma modificação do nosso pensamento baseado naquilo que acreditamos (crenças e valores) e na nossas experiências vividas.

Dicas de meditação – Despertando a consciência

Para o psicólogo Marco Aurélio Bilibio “o que vem do corpo é colorido pelas emoções e vai paa o pensamento e o que vem do pensamento é colorido pelas emoções e vai para o corpo”. Chamamos esse processo de fluxo emocional ou ciclo das emoções que interfere diretamente na nossa maneira de ser, nas nossas ações e comportamentos.

A prática da meditação pode ajudar no gerenciamento dessas emoções a fim de alcançar uma melhor compreensão da realidade e não deixar ser levado pelas emoções desenfreadas. A reflexão íntima dos pensamentos e das emoções tem a capacidade de libertar-nos do medo, da ansiedade e da depressão. Pode produzir compreensão e compaixão, pode levar a qualidade de vida e trazer liberdade, paz e alegria para nós mesmos e para as pessoas ao nosso redor.

Praticando a meditação

Podemos praticar a meditação sentada, que é a forma mais comum, mas também podemos praticá-la em outras posições como caminhando, em pé ou deitados. Nas nossas atividades diárias como quando estamos regando uma planta, dirigindo o carro, lavando roupa, e onde quer que estejamos, o que quer que façamos, seja qual for a posição de nosso corpo, podemos praticar a meditação, desde que as energias da mente desperta, da concentração e da introspecção estiverem presentes na nossa mente e em nosso corpo.

Dicas de meditação – Despertando a consciência

A meditação também pode ser através de nossas ações positivas como viver em sociedade, ir ao trabalho todo dia, cuidar da nossa família, entre outras áreas da nossa vida, são ótimas oportunidades de praticarmos a meditação.

A meditação nutre o nosso corpo e a mente, além de ser um alimento espiritual capaz de purificar a nossa alma de fluídos negativos e lixos emocionais. O resultado é a alegria de viver e a paz de espírito que beneficia não só o praticante, mas todo o ambiente e pessoas ao seu redor.

O budismo diz que a meditação é capaz de despertar a nossa consciência para os nossos nós interiores e complexos de identidade. Os nós interiores são um conjunto de ilusões, repressões, medos e ansiedades que se cristalizaram no lugar mais íntimo e profundo da nossa consciência. Estes nós são capazes de nos constranger e nos levar a fazer, dizer e pensar coisas que na realidade não queremos fazer, dizer ou pensar.

por Rodrigo Longo 


Tweet

 Veja Também!

Como aproveitar melhor a meditação!

A prática da meditação – Os 10 nós interiores

Prática da meditação – Os tipos de consciência

O sofrimento – O caminho para a realização espiritual

A mente de renúncia – O desapego da ignorância e do sofrimento

Dados do Artigo:

Dicas de meditação – Despertando a conciência
Espiritualidade
A meditação busca reflexão íntima dos pensamentos e das emoções e tem a capacidade de libertar-nos do medo, da ansiedade e da depressão. Saiba mais!

Fontes:BILIBIO, M.A. Desintoxicando-se das emoções venenosas. 08 de maio de 2011.
Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=gG75OPKc3-c

MEDITAÇÃO E CURA!
16 de setembro de 2013 – Disponível em:  http://budavirtual.com/2013/09/16/meditacao-e-cura/

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
images

Pratique a caridade!

Caro irmão.
Pratique a caridade sempre!
Pratique a caridade ao próximo e a si mesmo.
Se alguém te magoar não revides, apenas ore.
Se está doente, pratique a caridade da resiliência e da aceitação. Lembre-se que toda doença no corpo é a cura para a alma.
Se está desempregado, pratique a caridade sem lamentação. A disposição em servir ao próximo abre muitas portas inacreditáveis.
Se perdes um ente querido, pratique a caridade. A melhor forma de aceitar a morte é ajudar o outro a viver

plenamente.

Se reclamas por falta de dinheiro, pratique a caridade do desapego, pois enquanto uns reclamam a falta de riquezas, outros agradecem por brincarem na chuva.
Se a vida não é como desejas, então desejes ser como a vida, um milagre constante.
Se está difícil sorrir, pratique a caridade e te retribuirão com um sorriso!
Se está difícil perdoar, pratique a caridade  e serás perdoado!
Se alguém te incomoda, pratique a caridade da paciência, pois um dia terás que incomodar alguém.
Se alguém discorda de ti, pratique a caridade da tolerância, você não é a única pessoa conhecedora e sensata deste mundo.
Se está infeliz, pratique a caridade. É na caridade que mora a felicidade.
Se ninguém é caridoso com você, seja caridoso consigo mesmo praticando a caridade aos outros.

Pratique a caridade ao próximo! Pratique a caridade a si mesmo! Pratique a caridade sempre!
Autor: Rodrigo Longo
UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!
FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
cachorro-5661

Escolhendo a simplicidade

Simplificar a vida não significa renunciar a tudo que conquistamos.

Ser simples vai muito além das questões materiais. É um estado de espírito, um jeito de ser que carregamos no íntimo.

Simplificar a vida é aprender a ser feliz com pouca coisa e dar mais valor aos nossos desejos essenciais.

É ter uma vida exterior comedida, sem exageros e uma vida interior rica de valores elevados.

É aprender a concentrar nossos esforços e dedicar o tempo e os ganhos financeiros no que realmente tem valor para cada um de nós, pois, muitas vezes, mantemos o foco em detalhes sem importância.

Aprendemos que qualidade de vida tem a ver com um padrão econômico elevado.

Porém, ter um alto poder aquisitivo, muitas vezes leva as pessoas a um consumismo exagerado, onde passam a buscar a felicidade nos objetos e, com isso, se afastam do que realmente traz qualidade para a vida.

Não precisamos desempenhar papéis que a sociedade nos impõe e nem buscar sempre consumir o que existe de melhor.

Os excessos de toda ordem, sejam eles de consumo, de alimentação, de trabalho e outras tarefas, nos fazem perder a leveza e complicam o nosso dia a dia.

Qualidade de vida é viver de forma equilibrada, valorizando o que realmente importa para cada um de nós.

A jornalista Leila Ferreira publicou um texto na internet sobre a obsessão atual com o melhor, onde enfatiza que hoje o bom não serve mais. Tudo tem que ser o melhor.

A melhor marca, o melhor emprego, o melhor computador, o melhor marido, a melhor esposa e por aí vai.

Ela comenta que nessa busca incessante pelo melhor, o bom passou a ser pouco, o que gera uma eterna insatisfação e impede que desfrutemos do que já conquistamos.

Estamos desaprendendo que ter menos, por vezes, é mais do que suficiente.

Podemos não ter a melhor casa, mas ela pode ser um lar acolhedor, que nos dá segurança e tranquilidade. Podemos não ter o melhor emprego, mas com ele temos alegrias.

Podemos não ter ao nosso lado os melhores companheiros, mas são os que nos compreendem e nos fazem felizes.

Talvez já não tenhamos o corpo perfeito, por não ser mais tão jovem e trazer as marcas do tempo, mas é esse corpo que nos serve à caminhada terrena e conta belas histórias de uma vida.

Valorizar cada conquista é escolher ser simples.

* * *

Recordemos a pureza de Jesus Cristo, que sempre ensinou com simplicidade e humildade. Utilizou-se de exemplos singelos para transmitir grandes ensinamentos.

A sua mensagem estimula nossas mentes e corações a dar valor ao amor e às coisas simples da vida. Leva-nos a viver de forma digna e de acordo com as reais necessidades.

Não importa os trajes com que nos apresentemos no mundo. Sejam sob os tecidos que demonstram projeção econômica ou não, mantenhamo-nos fiéis à mensagem cristã, preservando a simplicidade.

Fonte: Momento Espirita(www.momento.com.br)

UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!




FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
download-4-

Reforma íntima

Muitos são os motivos que nos levam a buscar uma religião:  o amor, a dor e o sofrimento, o convite de alguém, problemas financeiros, problemas de saúde, a perda de um ente querido, etc. Mas muitos de nós vivemos hoje a espiritualidade light, ou seja, vamos a igreja, assistimos as celebrações, cultos, missas, mas muitas vezes somos cristãos apenas dentro da igreja. Queremos milagres sem esforços, queremos bênçãos sem caridade e queremos paz sem amor. Na medida em que vamos estudando e compreendendo o verdadeiro sentido do evangelho, o sentido do que é ser Cristão e verdadeira espiritualidade, iniciamos a busca constante por uma reforma moral e íntima.
Toda pessoa consciente da espiritualidade e da necessidade de se espiritualizar, caminha em direção a reforma moral e íntima, o mais nobre objetivo de toda criatura.
A doutrina espírita e a filosofia de Alan Kardec, as escrituras sagradas ensinadas pelas igrejas evangélicas e católicas, não importa a religião cristã a ser seguida, todas essas doutrinas estão fundamentadas em uma única verdade: o Evangelho de Jesus e os exemplos de vida que Ele deixou para o mundo. O Evangelho de Jesus e seus ensinamentos nos convida à uma reforma interior profunda, tanto nas idéias quanto nas ações.
O que é reforma íntima?
A reforma íntima pode ser entendida como a busca constante pela mudança interior, com a finalidade de aperfeiçoar o ser através do fortalecimento da fé, da consolidação do amor, da busca pelo perdão e do cultivo de pensamentos positivos.
As nossa ações diárias são os meios que nos levam a este aperfeiçoamento constante e que nos aproxima cada vez mais do ideal cristão.
A auto-crítica e a reflexão diária dos nossos pensamentos e atitudes, nos levam ao auto-conhecimento, necessário para a nossa evolução espiritual.
Sócrates, filósofo grego da antiguidade já dizia: “Conhece-te a ti mesmo”.
        A melhor maneira de buscar o conhecimento de nós mesmos é a reflexão, questionar as nossas atitudes, nossos pensamentos e os nossos sentimentos com uma boa dose de humildade e honestidade.
            Desenvolver o hábito da reflexão interior na busca do auto-conhecimento é a chave do progresso individual.
         Saber ouvir, ter humildade para entender que somos falhos e fracos e que precisamos evoluir, que nascemos como espíritos simples e ignorantes, mas que cabe somente a nós mesmos avançar moralmente e intelectualmente é obrigação de todos, é responsabilidade de todos, é a lei do progresso, é a lei de Deus.
Autor: Rodrigo Longo
UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!
FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
download-4-1

Cura espiritual

Comece orando, pois a oração é luz que irradia onde mora a doença.
Espalhe alegria por onde passes, pois a alegria preenche o coração e purifica a alma.
Fuja da impaciência, da irritação e da angústia. Estas vibrações têm conseqüências imprevisíveis e desastrosas.
Seja confiante e saia de cima do muro. Pessoas indecisas e céticas param no meio do caminho por mentalizarem o negativo e o insucesso.
Não critique, não julgue. A censura destrói os relacionamentos e a harmonia das afinidades.
Não seja agressivo. A palavra que deprecia e machuca retarda o progresso do trabalho e desmotiva a força de vontade.
Evite escândalos e desgostos, pois o corpo de quem sofre é templo de Deus.
Faça o bem sempre! Se medir esforços! A caridade é vacina para a alma!
Não cultive inimizades e discórdias. Quem semeia contendas e desafetos acumula angústia, raiva e todos os tipos de sentimentos negativos. A lei de ação e reação é para tudo e para todos!
Cante uma música, pois a música é a maneira mais fácil e eficiente de chegar até Deus.
Seja positivo, bem humorado!
Não seja tão duro consigo mesmo. A autocensura rígida e exagerada são como chicotadas na alma!
Busque o equilíbrio em tudo!

A melhor forma de conseguir a cura espiritual é ajudando a curar outras pessoas. A força do amor sempre é o melhor remédio!
Autor: Rodrigo Longo
UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!
FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
images-3-

O que pedes, amigo?

O que você está pedindo para a sua vida, amigo?
Cuidado com o que pedes, pois o seu pedido pode se realizar!
Os ambiciosos pedem milhões, vida confortável, status, e todas as seduções que o mundo propõe.
Os egoístas querem satisfações para si somente, eles não têm energia própria, por isso vivem da energia do outro.
Os egocêntricos são parecidos com os egoístas, mas com algo mais, solicitam atenção exclusiva aos caprichos que lhes convém.
Os vaidosos seduzem apelativamente na busca incessante por louvores e aplausos.
Os invejosos reclamam recompensas que não lhes cabem, contaminam onde reina a harmonia.
Os preguiçosos e ociosos pedem prosperidade, querem vitórias sem luta e sem esforço.
Os tolos só pensam no divertimento e no prazer sem preocupação com o trabalho e o progresso.
Os revoltados reclamam direitos, mas não querem deveres.
Os imprudentes querem saúde sem cuidados.
Os impacientes vivem no futuro, mas planejam o imediato, sem alicerce, constroem castelos de areia.
Os lamentosos reclamam melhorias em pranto, não sabem apreciar as dádivas divinas.
Os insaciáveis querem todos os bens, vivem constantemente famintos das realizações do outro.
Loucos!
Isto é verdadeira loucura! Fantasias do coração que adoeceu na dependência de coisas mutáveis e passageiras.
                                                        

Cuidado com os desejos do teu coração, vigia os teus desejos, analisa tudo o que pedes, pois talvez hoje mesmo poderás ter que prestar contas!
Autor: Rodrigo Longo
UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!
FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
mais-perto

Bem – aventurado X Mal – aventurado

O pessimismo e a lamentação são grandes entraves que promovem a tensão emocional e o insucesso da vida. Feliz é aquele que compreende a correção do Senhor e aceita-a sem relutar.         
É muito mais cômodo falar de milagres de Deus, pois acreditar em milagres e fenômenos grandiosos que vêm do céu é conveniente e prático, não precisa de esforço, basta orar e Deus desce do céu como se não tivesse nada mais importante para fazer e vem até nós para atender nossos caprichos e desejos mesquinhos e tolos. É como serviço de entrega, basta chamar e ele vem entregar na nossa casa, mais com uma diferença, se vem de Deus é gratuito.
Feliz é aquele que em vez de “esperar o milagre”busca “busca ser o milagre”, pois compreende que Deus é progresso, é atividade, é garra, é agressividade serena. Pobre daquele que busca satisfazer suas necessidades e quando alguma adversidade o atinge, acha que a vida está sendo injusta. Este pobre ser já vive no inferno e na inquietação, na febre constante de sentir um vazio na alma, pois tudo o que tem é externo e não do espírito.
Feliz é aquele que semeia o evangelho da repartição pregado por Jesus, que ensina conquistar para poder repartir. Pobre daquele que semeia o evangelho de Jesus, mas em sua ignorância e egoísmo, conquista para a própria prosperidade. Conquista muitas coisas na vida e tudo o que tem é o sentimento de não ter nada.
Feliz é aquele que agradece tudo o que não tem, pois entende que é mais feliz assim. Pobre daquele que inveja o que o outro tem e que acredita que só será feliz quando tiver. Perde tempo precioso de trabalho no bem e gasta o tempo que tem cativando angústia e discórdia.
Feliz é aquele que faz o outro feliz. Pobre daquele que vive se alimentando daquele que é feliz.
Não lamente pois o que tens hoje é oportunidade de crescimento, silencia tua alma, ore, medite e ouça o que Deus  tem  para te falar, fazer barulho é para seres pequenos, como a galinha, tão pequenininha, mas faz um escândalo. O barulho só inflama a inquietude. Deus age grandiosamente mas de forma silenciosa, como a arvore que é enorme mas cresce silenciosamente. Ame desinteressado, faça o bem sempre, pense positivo e o céu te ajudará!
UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!!!

Autor: Rodrigo Longo
FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
download-25282-2529

Religião X Espiritualidade

A religião não é apenas uma, são centenas.
A espiritualidade é apenas uma.

A religião é para os que dormem.
A espiritualidade é para os que estão despertos.

A religião é para aqueles que necessitam que alguém lhes diga o que fazer e querem ser guiados.
A espiritualidade é para os que prestam atenção à sua Voz Interior.



A religião tem um conjunto de regras dogmáticas.
A espiritualidade te convida a raciocinar sobre tudo, a questionar tudo.

A religião ameaça e amedronta.
A espiritualidade lhe dá Paz Interior.

A religião fala de pecado e de culpa.
A espiritualidade lhe diz: “aprenda com o erro”.

A religião reprime tudo, te faz falso.
A espiritualidade transcende tudo, te faz verdadeiro!

A religião não é Deus.
A espiritualidade é Tudo e, portanto é Deus.

A religião inventa.A espiritualidade descobre.


A religião não indaga nem questiona.
A espiritualidade questiona tudo.

A religião é humana, é uma organização com regras.
A espiritualidade é Divina, sem regras.

A religião é causa de divisões.
A espiritualidade é causa de União.

A religião lhe busca para que acredite.
A espiritualidade você tem que buscá-la.

A religião segue os preceitos de um livro sagrado.
A espiritualidade busca o sagrado em todos os livros.

A religião se alimenta do medo.
A espiritualidade se alimenta na Confiança e na Fé.

A religião faz viver no pensamento.
A espiritualidade faz Viver na Consciência.

A religião se ocupa com fazer.
A espiritualidade se ocupa com Ser.

A religião alimenta o ego.
A espiritualide nos faz Transcender.

A religião nos faz renunciar ao mundo.
A espiritualidade nos faz viver em Deus, não renunciar a Ele.

A religião é adoração.
A espiritualidade é Meditação.

A religião sonha com a glória e com o paraíso.
A espiritualidade nos faz viver a glória e o paraíso aqui e agora.

A religião vive no passado e no futuro.
A espiritualidade vive no presente.

A religião enclausura nossa memória.
A espiritualidade liberta nossa Consciência.

A religião crê na vida eterna.
A espiritualidade nos faz consciente da vida eterna.

A religião promete para depois da morte.
A espiritualidade é encontrar Deus em Nosso Interior durante a vida.

Autor: Prof. Dr. Guido Nunes Lopes –  Graduado em Licenciatura e Bacharelado em Física pela Universidade Federal do Amazonas (FUAM, 1986), Mestrado em Física Básica pelo Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (IF São Carlos, 1988) e Doutorado em Ciências em Energia Nuclear na Agricultura pelo Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo (CENA, 2001).

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
images-252819-2529

Os 12 Passos

1º PASSO
“Admitimos que somos impotentes perante o álcool e as drogas, e que perdemos o domínio sobre as nossas vidas”
Este passo aponta duas situações básicas, na qual coloca o dependente químico frente a uma realidade difícil de admitir, a sua impotência perante o álcool e as drogas e a perda do domínio sobre a própria vida. Impotência significa fraqueza, falta de força Esta fase crítica, exige muita humildade e aceitação de que a pessoa perdeu e precisa admitir que é incapaz de conseguir parar sozinha.
A admissão implica não somente na impotência perante o álcool e as drogas, mas também a impotência perante todo um estilo de vida, ao qual o levou a falência como um todo. Seus hábitos, vícios, emoções, comportamentos, modo de pensar e a sua história de vida devem ser revistos, analisados e modificados, buscando a recuperação da pessoa e suas forças para lutar contra a doença.
Falar menos de drogas e álcool, a humildade para ouvir conselhos, a consciência da necessidade de mudança e a busca do controle das emoções, são as principais mudanças a serem trabalhadas neste passo inicial.
            AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
            Falo muito sobre drogas se gabando de falsas conquistas?
         Tenho pensamentos secretos sobre uso controlados de drogas?

         Tenho humildade para pedir ajuda quando preciso e para ouvir conselhos?

         Estou buscando mudar pequenos hábitos negativos e defeitos de caráter?
         Tento controlar minhas emoções diminuindo minha agressividade?
         Tenho estado muito irritado, deprimido ou eufórico?
           
2º PASSO
“Admitimos que somente um Poder Superior a nós mesmos poderia nos devolver a sanidade”
Todo dependente químico, mais cedo ou mais tarde, perde a sua sanidade, ou seja, o discernimento das coisas, o bom senso, ele está doente. E a palavra sanidade vem propor exatamente isso, que para estar são é preciso ser capaz de usufruir plenamente de todas as faculdades, e que, se a pessoa perdeu totalmente a capacidade de pensar e de utilizar suas faculdades, certamente perdeu sua saúde física, mental, emocional e espiritual. Pode-se dizer que ele está insano e doente.
Sanidade Física (fazer) significa usufruir plenamente do nosso corpo, ou seja, o nosso bem-estar físico como, alimentação, sono, atividades do dia-a-dia,etc.
Sanidade Mental (pensar) é a capacidade de usufruir plenamente da nossa inteligência, quando planejamos a nossa vida e refletimos sobre ela. A saúde mental consiste em desenvolver a nossa inteligência com a finalidade de crescermos como seres humanos.
Sanidade Emocional (sentir) consiste em manter certo equilíbrio emocional, uma conduta aceitável dentro de um grupo social. É a capacidade de relacionarmos com outras pessoas e com nós mesmos.
Sanidade Espiritual (significar) consiste em buscar algo a mais em nossa vida, algo que dê significado a ela e em tudo o que fazemos. A fé que nos dá força e sentido para as coisas vem de um poder maior que nós mesmos, o Poder superior.
Estas estruturas são interdependentes, ou seja, estão ligadas entre si e se uma delas adoecer todas as outras adoecerão também, formando um círculo vicioso.
É por isso que somente um Poder Superior a nós mesmos poderia nos devolver a sanidade, porque desequilibrados e sozinhos não conseguiremos sair deste círculo de insanidade. Somente algo maior que nós mesmos, pode nos devolver o equilíbrio e a felicidade. Para uma melhor qualidade de vida é fundamental o desenvolvimento destas quatro estruturas com a ajuda do nosso Poder superior.
        
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
Estou buscando melhorar minha higiene pessoal, me alimentando bem, dormindo bem e cuidando do meu bem-estar físico?
Estou buscando planejar a minha vida, ter organização e disciplina nas minhas atividades do dia-a-dia?
Estou procurando meus amigos para pedir ajuda, partilhar a minha vida e expor meus sentimentos, ou guardo tudo e reprimo meus sentimentos?
Como está a minha relação com o meu Poder Superior, tenho interesse pela espiritualidade, participo ativamente das atividades da minha comunidade ou grupo ao qual pertenço?
Estou dando importância demais para os bens materiais, sou egoísta pensando somente nas minhas necessidades materiais?
3º PASSO
“Decidimos entregar as nossas vidas e as nossas vontades aos cuidados de um Poder Superior, na forma em que o concebíamos.”
Como foi visto no Passo anterior, uma das maiores insanidades consiste em continuar fazendo as mesmas coisas esperando resultados diferentes. Dessa forma, acredita-se que, a partir da prática destes passos, começamos a fazer as coisas de uma forma diferente, como estamos aprendendo com o programa de recuperação através dos 12 passos.
Mas a prática deste programa e a confiança em um Poder Superiorexigem que façamos muitas renúncias de coisas, pessoas, velhos hábitos negativos e defeitos de caráter, que sempre nos acompanharam em nossa trajetória e nos levaram a falência como seres humanos.
Para renunciar é preciso confiar e entregar as nossas vidas e as nossas vontades a este Poder Superior, desfazendo de tudo o que nos impede de viver em sobriedade e nos aproxima novamente da nossa antiga vida.
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
Estou renunciando determinados prazeres e velhos hábitos, ou só renuncio aquilo que me convém?
Estou tendo auto-responsabilidade nas minhas atividades, ou faço as coisas por obrigação?
Busco me perdoar e perdoar as pessoas e as coisas que aconteceram no passado, ou guardo mágoas e ressentimentos?
Estou utilizando o meu tempo livre de maneira eficaz?
Busco não fazer as coisas apenas do meu jeito, aceito conselhos e opiniões?
4º PASSO
“Fizemos um minucioso e destemido inventário moral de nós mesmos.”
No passo anterior nos encontramos com o nosso Poder Superior que até então não conhecíamos ou não tínhamos qualquer relação. Agora, neste passo vamos aos encontro com nó mesmos, ao encontro da nossa história, do nosso passado, da nossa realidade. Para isso, a condição básica do 4º passo é a honestidade, ou seja, sermos honestos com nós mesmos é a chave para a nossa libertação.
Para isso, devemos fazer um minucioso e destemido inventário moral de nós mesmos. Colocar tudo o que passamos, o que vivemos, nossas alegrias e tristezas, dificuldades, sofrimentos, toda a nossa história de maneira detalhada e sem reserva, nos ajuda a entender que nós somos de fato, nossas virtudes e defeitos, a nossa personalidade, nossas forças e fraquezas.
Neste inventário o mais importante é a honestidade, por isso devemos tomar cuidado para não omitir, não inventar e não distorcer fatos.
Este é um passo de auto-análise profunda e é extremamente necessário para a nossa libertação.
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
Estou sendo honesto em tudo o que faço, ou procuro me esquivar e não os meus erros?
Estou omitindo, mentindo ou distorcendo detalhes da minha vida?
Utilizo de mecanismos de defesa, justificando meus atos cometidos no passado, idealizando fatos negativos, ou seja, faço um erro meu parecer uma coisa boa?
5º PASSO
            “Admitimos perante o nosso Poder Superior, perante a nós mesmos, e perante a outro ser humano a natureza exata das nossas falhas.”
         Falar para outra pessoa ou para outro dependente químico, a nossa história e expor os nossos sentimentos, nossas experiências, frustrações e sofrimentos, realmente é muito difícil, e nos faz pensar: Será que estou preparado para isso?
         Mas quem está realmente preparado para tal desafio? Quem confia totalmente no outro a ponto de realizar esse ato tão importante, mas ao mesmo tempo tão difícil e doloroso? Talvez quase ninguém consiga abrir totalmente o seu coração, mas isso não significa que não possamos começar a se libertar aos poucos do nosso passado que tanto nos persegue e atormenta. O 5º passo é o início de um ato de libertação incrível, e começá-lo, mesmo que seja aos poucos, pode ser o início de uma limpeza emocional e espiritual profunda.
        
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
        
         Estou conseguindo confiar mais nos meus amigos?
         Estou conseguindo me abrir mais e expor meus sentimentos?
         Tenho tido contato com meu padrinho de 5º passo?
6º PASSO
“Prontificamos inteiramente a deixar que o nosso Poder Superior remova todos esses defeitos de caráter.”
O 6º passo está fundamentado no 3º passo e na nossa vida espiritual, pois é a verdadeira prática da renúncia e da entrega. A cada entrega, a cada renúncia, o nosso contato com o Poder Superior, seja Ele qual for, vai se estreitando e ficando cada vez mais sólido e profundo.
Prontidão significa estar pronto, disposto, preparado. A verdadeira sobriedade significa que temos que estar prontos para uma mudança radical em nosso comportamento, nossos hábitos, nossas companhias, e deve ser sem reservas. Temos que reavaliar as nossas crenças e nossos valores, a fim de que a mudança seja profunda. Se não tivermos prontos para abrir mão destas coisas, a recaída é a conseqüência.
Deixar que o nosso Poder Superior realize essas mudanças não significa que podemos ficar parados esperando. A mudança requer determinação e perseverança, temos que fazer a nossa parte. Não adianta esperar que a nossa vida melhore se continuamos com as mesmas atitudes, sendo a mesma pessoa, tendo os mesmos hábitos e comportamentos.
Para viver em sobriedade é preciso estar pronto para pagar o preço que for para evitar a recaída e renunciar situações e ambientes que colocam a nossa sobriedade em risco.
        
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
        
         Estou vivendo o meu dia-a-dia com ânimo e disposição?
         Estou sendo positivo e praticando ações que me tornam uma pessoa melhor?
Faço planos e traço metas concretas a fim de melhorar minha vida pessoal, profissional, familiar e social?
Consigo renunciar pequenos hábitos negativos do dia-a-dia sem ficar mal humorado ou irritado?
Estou buscando a melhoria contínua em minha vida em todos os sentidos?
7º PASSO
            “Humildemente rogamos ao nosso Poder Superior que nos livre das nossas imperfeições.”
        

Humildade é a principal virtude a desenvolver para quem está começando a viver em sobriedade. A humildade nos permite estar sempre buscando entender e aceitar as nossas fraquezas e assim continuarmos na nossa caminhada na recuperação. Perceber que não conseguimos sozinhos, que somos vulneráveis e que precisamos da ajuda dos outros, e que mesmo há algum tempo sem drogas e álcool, não podemos descuidar achando que podemos voltar a fazer as mesmas coisas, freqüentar os mesmos lugares e andar com as mesmas pessoas.

        
         O orgulho nos faz pensar que estamos curados, e isso é extremamente nocivo e perigoso e pode acarretar uma recaída. A falta de humildade nos faz pensar que não precisamos mais buscar a recuperação, de aprender, de conhecer a nós mesmos e de evoluir.
         Se quisermos realmente nos livrar de nossas imperfeições a chave é a humildade, pois ela exige que tenhamos uma grande parcela de aceitação, não para aceitar os outros, mas para aceitar e conhecer a nós mesmos.
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
        
         Sinto que estou curado e que não preciso mais de ajuda?
         Busco ouvir a opinião dos outros ou quero fazer tudo do meu jeito?
         Sinto que as pessoas dos Grupos de Apoio não têm nada a me oferecer?
         Acredito que posso buscar a minha sobriedade sozinho?
         Estou me freqüentando lugares e andando com pessoas que possam oferecer risco para a minha sobriedade?
8º PASSO
         “Fizemos uma relação de todas as pessoas que tínhamos prejudicado e nos dispusemos a reparar os danos a elas causados.”
         O Arrependimentoé a chave deste passo e a necessidade de descobrir os danos causados as pessoas que convivemos durante anos na nossa adicção é o despertar de um sentimento de cura interior.
         Quando decidimos dar um basta na nossa vida de uso e abuso de drogas e álcool, decidimos estar prontos para fazer o que fosse preciso para se libertar deste cárcere e aos poucos vamos descobrirmos o quanto a nossa doença afetou e prejudicou as pessoas ao nosso redor. Este sentimento de culpa é natural se seguido do arrependimento, pois nos torna mais sensíveis com a dor do outro.
          Desenvolver a capacidade de nos importar com as conseqüências dos nossos atos é um grande sinal de maturidade emocional. Devemos reparar os danos causados as pessoas que prejudicamos fisicamente, materialmente, psicologicamente e emocionalmente, pois nos liberta da culpa para seguirmos em frente sem continuarmos reféns de nossas lembranças, sentimentos e emoções. É por isso que tivemos que aprender a lidar com o orgulho e sermos mais humildes, para aceitar os nossos erros e repará-los.
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
        
Tenho me preocupado em perceber os danos que posso ter causado no meu dia-a-dia?
Consigo pedir perdão quando prejudico alguém?
Consigo me colocar no lugar do outro?
Procuro me perdoar quando erro, ou acho que eu não posso errar e procuro ser perfeito com medo de recair?
  
9º PASSO
         “Fizemos reparações diretas dos danos causados a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-lo significasse prejudicá-las, ou a outrem.”
Depois de termos relacionado todas as pessoas que nós prejudicamos, de nos colocarmos no lugar do outro e de nos importarmos com as conseqüências de nossos atos nos levando a um profundo arrependimento, chegou o momento de fazer as reparações dos nosso erros do passado.
Para que isso aconteça é necessário coragem, palavra-chave deste passo, para tomar atitude de ir atrás das pessoas e situações que ficarão pendentes no passado. Mas não é tão fácil fazer estas reparações, pois as circunstâncias nem sempre são favoráveis. Muitas pessoas podem ter se mudado e não vermos mais, outras já podem ter falecido, e entre outras situações que nos levam a fazer as reparações de uma outra forma.
As reparação que não podemos fazer diretamente a pessoa podemos fazer indiretamente, ou seja, ajudando uma outra pessoa, ajudando outros dependentes químicos e através de oração e sacrifícios. Sendo realistas, muito dificilmente conseguiremos realizar todas as reparações necessárias e as que podemos fazer diretamente, podem haver certas dificuldades e a possibilidade de receber uma negativa. Por isso deve se considerar três pontos fundamentais para fazer as reparações:
ü       Coragem
ü       Prudência
ü       Sentido de escolha do momento.
Coragem
Dar o primeiro passo e tomar a iniciativa de ir atrás da pessoa prejudicada para pedir perdão não é tarefa fácil. Muitas vezes pode acontecer de nada hora exata vacilarmos e recuarmos com medo de receber um “não” como resposta, ou até mesmo ouvirmos ofensas da pessoa. Temos que compreender que esta pessoa ainda guarda muita mágoa e que é natural que ela se sinta assim. Daí a necessidade da “Coragem para modificar aquelas que podemos”. Neste caso, deve-se recuar e esperar um outro momento oportuno, ou talvez tentar fazer a reparação de outra forma se for o caso.
Prudência
A prudência é a capacidade de perceber o que é conveniente e o que não é. Ela consiste na profunda análise da escolha do momento oportuno, na cautela ao falar e na forma que será feita a reparação. Se não fizermos um estudo minucioso do que é possível e impossível ser feito, poderemos cometer grandes erros na tentativa de realizar as reparações.
Sentido de escolha do momento
Escolher o melhor momento para fazer a reparação pode aumentar a probabilidade de se obter sucesso na tarefa. Quando falamos de momento nos referimos a dois tipos de momentos: o momento interior e o momento exterior.
O momento interior está relacionado com o estado psicológico, emocional e espiritual do indivíduo, sejamos nós mesmos ou a pessoa, com a qual vamos efetuar as reparações. Não adianta tentarmos fazer reparações se não estamos em um bom momento.
O momento exterior representa as circunstâncias em que ocorrerá a reparação, o ambiente físico, as companhias, a disposição de tempo nossa e do outro. Se primeiramente analisamos o nosso momento interiorpara fazer a reparação, agora devemos também observarmos o momento da outra pessoa.
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
        
Fiz uma relação detalhada de danos e reparações antes de começar a praticá-las?
Tem alguma reparação que não desejo realizar?
Tenho falado com o meu padrinho de 5º passo ou com algum amigo com quem partilho a minha vida, sobre essas reparações?
Tenho colocado em risco a minha recuperação por causa destas reparações?
Tenho prejudicado o outro com as minhas reparações?
10º PASSO
         “Continuamos fazendo o inventário pessoal e quando estávamos errados o admitíamos prontamente.”
O 10º passo é um passo de manutenção da nossa recuperação, ou seja, a prática deste passo nos ajuda a manter aquilo que conseguimos com tanto esforço e dedicação, “a vida em sobriedade.”
Nesta fase precisamos elaborar estruturas que nos ajudem a manter o que iniciamos, como a participação em reuniões, a espiritualidade e todas as ferramentas que reunimos para caminharmos limpos. Muitos dependentes encontram atividades que mais se identificam, como a prática de esportes, estudos, a música, etc. O convívio com os amigos de recuperação, o bom relacionamento com a família e com o trabalho, tudo o que for saudável e com uma boa dose de equilíbrio, é fundamental para manter-se sóbrio e ter uma boa qualidade de vida.
Além de manter as nossas estruturas, a finalidade principal deste passo consiste em identificar as variações emocionais durante o nosso dia, uma vez que o desequilíbrio emocional pode comprometer a nossa qualidade de vida, prejudicar a nossa disciplina e a nossa qualidade de vida, e conseqüentemente iniciar um processo de recaída.
É a verdadeira prática da auto-análise, do inventário pessoal, que nos leva a identificar nossas reações emocionais, nossos comportamentos e principalmente os pontos positivos, nossas conquistas, sentimentos de alegria e satisfação que reforçam o nosso bem-estar e auto-estima.
O inventário pessoal é importante para que possamos viver com serenidade, tomar decisões com responsabilidade e honestidade, admirar o que é bom da vida e resolver nossos problemas e frustrações sem usar álcool e/ou drogas.
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
             
Tenho freqüentado grupos de apoio e/ou religiosos de acordo com a minha necessidade?
Tenho trocado, mais do que deveria, a participação nestes grupos por atividades não relacionadas com a manutenção da minha sobriedade?
Tenho percebido variações súbitas de humor no meu dia-a-dia?
Tenho tido reclamações sobre o meu comportamento ou meu estado de ânimo por parte das pessoas da minha convivência (família, trabalho, grupos)? O tenho feito a respeito?
Tenho sido capaz de enxergar as minhas conquistas e vitórias, ou somente tenho me focado naquilo que me falta, naquilo que ainda não consegui ou naquilo que tenho feito de errado?
11º PASSO
            “Procuramos, através prece da meditação, melhorar nosso contato consciente com Deus, na forma em que O concebíamos, rogando apenas o conhecimento de Sua vontade em relação a nós, e forças para realizar essas vontades.”
        

Depois de termos compreendido melhor nós mesmos, nosso comportamento, nossos sentimentos e a nossa relação com o mundo e com as pessoas é chegada a hora de desenvolvermos o nosso contato profundo com o Poder Superior.

         Vale a pena ressaltar que religiosidade e espiritualidade são coisas bem diferentes, sendo que a primeira consiste em seguir determinada religião, e a segunda é o conhecimento profundo de nós mesmos, de algo maior que nós mesmos e o bom relacionamento com o mundo e com as pessoas. Podemos dizer que uma pessoa que está bem com ela mesma, com a família, trabalho e amigos está espiritualmente bem. É a chamada paz interior.
         Somos muito materialistas e buscamos constantemente estarmos bem por fora, o dinheiro, bens materiais e tudo o que pode causar uma boa impressão para os outros e nos afastamos cada vez mais da espiritualidade. Aos poucos perdemos a nossa saúde espiritual, nossa paz interior, pois os bens materiais melhoram a nossa aparência, mas não o que somos por dentro, e sem perceber vamos adoecendo novamente.
         Freqüentar um grupo religioso é muito importante, mas para aqueles que não têm uma religião e preferem manter o contato com o Poder Superior à sua maneira, procure desenvolver a sua espiritualidade de outras maneiras, como por exemplo, ajudando outros dependentes químicos ou outras pessoas que precisam de algum tipo de ajuda, leve a mensagem dos 12 passos a outras pessoas, leve conforto e ajuda às famílias de dependentes químicos, sempre esteja disposto a estender a mão a quem precisa de ajuda.
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
              
Tenho reservado tempo para as questões espiritual, ou me tornando dia-a-dia uma pessoa materialista?
Tenho meditado, procurado ficar em silêncio para uma reflexão interior?
Procuro ajudar outras pessoas, ou só penso em minhas necessidades?
Como está a qualidade dos meus relacionamentos?
12º PASSO
            “Tendo experimentado um despertar espiritual, graças a estes passos, procuramos transmitir esta mensagem a outros dependentes e a praticar estes princípios em todas as nossas atividades.”
Este passo vem propor a prática de todos os princípios aprendidos na nossa jornada, a

transmissão da mensagem e o despertar espiritual. Como já vimos anteriormente, não adianta apenas ler e conhecer profundamente os 12 Passos, é preciso atitude constante de mudança. É hora de vivermos o “Só por hoje” que tanto falamos, mas de uma maneira profunda. O “Só por hoje” não deve ser confundido de maneira que nós vivamos sem pensar no futuro, sem planejar, mas construindo a nossa sobriedade e qualidade de vida dia após dia, estando dispostos a realizar pequenas mudanças, pequenos detalhes da nossa vida, desde a hora que acordamos até a hora que vamos dormir. Viver em sobriedade não é ser perfeito, mas tentar melhorar sempre.

         Por despertar espiritual pode-se entender como uma nova maneira de enxergar a realidade e a nossa vida. O despertar espiritual aumenta a sensação de bem-estar, diminui a ansiedade, angústias e tensões, nos dando equilíbrio para lidar com as situações e frustrações, além de melhorar o nosso relacionamento com as pessoas. Podemos dizer também, que viver o despertar espiritual, não quer dizer apenas ir na igreja, mas a transformação do ser como um todo. Freqüentar algum tipo de religião é importante, mas de nada adianta se não tiver ação. Como diz na Bíblia “A fé sem obras é morta”, ou seja, o desenvolvimento da espiritualidade significa viver em plenitude com o mundo, com o Poder Superior e com o próximo, sendo útil, participando e ajudando o próximo e a si mesmo.
         Muitas pessoas procuram ajuda nas igrejas e em grupos de apoio somente no momento do desespero, quando o desespero vai embora, esquece que é dependente e que precisa estar em manutenção diária, e a conseqüência é a recaída.
         O dependente deve estar sempre buscando espalhar a mensagem da recuperação e da vida em sobriedade constantemente, mas com certa cautela para não colocar a sua sobriedade em risco. Ajudar o outro que sofre, ajudar as famílias que sofrem, ser exemplo de superação, praticar o bem sempre, ter disciplina, ser honesto com os outros e consigo mesmo, viver de bem com a vida apesar dos problemas e desafios que possam surgir no caminho e agradecer sempre! A sobriedade é isso!
          
AUTO-ANÁLISE PARA QUEM PRATICA ESTE PASSO.
              
Estou vivendo conscientemente, no meu dia-a-dia, os princípios contidos nos 12 Passos? Como? Quando?
Tenho tentado ajudar outros dependentes, quando surge a oportunidade, ou tenho evitado este trabalho?
Tenho assumido posturas inadequadas na tentativa de ajudar outros dependentes, sendo arrogante, como me colocando no lugar do outro, não compreendendo o sofrimento do outro?
 UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!

Referências Bibliográficas:

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
images

A face oculta

A FACE OCULTA

Ser e Ação

A idéia de mudar as ações sem haver uma transformação profunda do ser, é como um vulcão prestes a entrar em erupção, visto de longe é uma linda montanha, imensa e onipotente, mas por dentro existe o fogo ardente aguardando o momento certo para explodir e fazer um estrago. A única maneira de mudar é a completa abnegação das decadências humanas, nossos pensamentos, nosso egoísmo, nosso orgulho, nossa vaidade!
Se você estiver com raiva e quiser mudar sua ação, o que você fará? Você reprimirá a raiva, mostrará uma face falsa e terá de usar uma máscara.
Se você tiver a sexualidade, o que você fará para deixar de pensar nela ou tentar mudá-la? Você pode fingir ou se esconder atrás de uma aparência de religioso assíduo, mas no fundo o vulcão continuará insistindo, até que entre em erupção.
Você sempre estará com medo, se escondendo de si próprio, maquiando o seu íntimo atrás de filosofias e doutrinas na intenção de ser aprovado pelos outros.
Você já observou os pretensos religiosos? Eles estão sempre com medo, com medo do inferno, e devido ao terrível medo do “Fogo do Inferno”tentam incessantemente e a qualquer custo entrar no paraíso. Mas o que é o paraíso? Será que as pessoas sabem o que é o paraíso? Será que lá existe um velhinho com uma longa barba branca sentado em um trono e ao seu redor milhares de pessoas contemplando a sua face em uma ociosidade monótona? Deus é ação! É movimento de vida constante e não se compraz da inércia e do ócio.
Se você mudar a sua consciência, o paraíso vem até você, e não é você que vai até ele. Ninguém jamais foi ao paraíso e ninguém jamais foi ao inferno, porque esses dois lugares estão dentro de nós, é um estado de espírito. Guarde bem isso: o paraíso vem até você, o inferno vem até você. Só depende de você!
Tudo o que você chama vem até você. Por exemplo, se você quer que a sua família se entenda e não brigue mais, então comece a ser mais gentil, menos arrogante, procure o diálogo e o entendimento. Tudo o que chamamos vem até nós, se eu quero que as pessoas gostem de estar ao meu lado, tenho que atraí-las, ninguém gosta de pessoas negativas e que só reclamam. Se eu quero ser tratado bem, então eu tenho que ser simpático com as pessoas, e assim por diante. Temos que nos esforçar para que o paraíso venha até nós.
O esforço é agradável aos olhos de Deus, e podem acreditar tudo o que conquistamos sem esforço, o bem não está presente.
Se o seu ser mudar, você fica disponível para o paraíso e ele desce até você. Se o seu ser não mudar, você fica em conflito, forçando uma coisa que não existe. Assim você fica cada vez mais falso até se tornar duas pessoas, onde mostra uma coisa e é outra. Faça o teste, o que você faz quando não há ninguém vendo você? O que você pensa?
O ser que não muda entra sempre em contradição, pois fala uma coisa e faz outra completamente diferente. Está sempre se perdendo com as palavras e ações e se torna uma pessoa dúbia e duvidosa. Está sempre brincando de esconde-esconde consigo mesmo.
Quando se vive desta maneira, cheio de conflitos interiores e tensões mentais, a ansiedade e a angústia são naturais nesse estado. Você vive em estado de febre constante, pois ou está ansioso, ou está com raiva, ou está com inveja, ou está desdenhando, ou está reclamando.
E o inferno é isso!
UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!
FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
images-3-1

Os pensamentos e as doenças

Os nossos pensamentos definem o que somos e como agimos e interagimos com o mundo ao nosso redor. Dessa forma, melhorar o nosso conteúdo mental, a forma como vemos as pessoas e a vida, como pensamos a respeito das coisas, interfere diretamente no nosso equilíbrio emocional e

espiritual. Seres carregados de angústias, rancores, perturbações mentais e distorções da realidade podem desenvolver sérias doenças físicas e psíquicas. O mundo materialista em que vivemos nos diz o tempo todo que devemos adquirir coisas acima de tudo, conquistar, revidar, competir. 

Todos nós temos o hábito de cuidar muito bem dos nossos bens materiais, da nossa aparência, da nossa reputação perante a sociedade e seus valores distorcidos, e esquecemos de cuidar do nosso mundo interior, do nosso espírito. Esquecemos do nosso poder mental, intelectual, emocional, sentimental e moral. O resultado disso é uma vida de inquietude e discórdias que acarretam uma série de mágoas e dores manifestadas através de vícios e excessos de todos os gêneros, desvirtudes, desequilíbrios e ações repugnantes da alma que podem gerar uma série de doenças graves no corpo físico.
Jesus, o grande médico dos médicos, mostrou ao mundo com seus ensinamentos a prática da moral divina baseada nas grandes virtudes, como o amor, a caridade, a oração, a humildade, o perdão, a justiça e a fé. Ele quis nos mostrar que através dessas virtudes conseguimos educar nossos sentimentos e emoções, pois é muito mais fácil odiar do que amar, agredir do que silenciar, condenar do que perdoar.
Quando educamos nossos sentimentos e emoções, conseguimos direcionar nossos pensamentos para coisas boas e mantemos um estado de humor tranqüilo, evitando assim sérios problemas de saúde. Pessoas angustiadas, ansiosas e negativas tendem a estar sempre tensas, e com isso, o coração, a mente e todo o resto do corpo adoece.A medicina consegue provar a cada dia que muitas doenças, como por exemplo o câncer, são causadas em grande maioria por fatores emocionais.
A grande vacina para os males dos maus pensamentos é a prática das virtudes que Jesus ensinou através do Evangelho.  Não adianta caminhar nas vias da neutralidade, pior que fazer o mau é negligenciar o bem e para alcançar a tão almejada paz interior devemos praticar o bem para evitar o mau. 
FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
Tudo-quanto___

As 4 Leis da Espiritualidade ensinadas na Índia!

A primeira lei diz: “A pessoa que vem é a pessoa certa“.

Ninguém entra em nossas vidas por acaso. Todas as pessoas ao nosso redor, interagindo com a gente, têm algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação. Leia mais…


 A segunda lei diz: “Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido“.
Nada, absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum “se eu tivesse feito tal coisa…” ou “aconteceu que um outro…”. Não. O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos a lição e seguirmos em frente. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas.

A terceira diz: “Toda vez que você iniciar é o momento certo“.

Tudo começa na hora certa, nem antes nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que as coisas acontecem.

E a quarta e última afirma: “Quando algo termina, ele termina“.
Simplesmente assim. Se algo acabou em nossas vidas é para a nossa evolução. Por isso, é melhor sair, ir em frente e se enriquecer com a experiência. Não é por acaso que estamos lendo este texto agora. Se ele vem à nossa vida hoje, é porque estamos preparados para entender que nenhum floco de neve cai no lugar errado.

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
meditacao1

O “vazio” é um engano!


FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
untitled

Pare e Pense!

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
bcghddgd

O poder do abraço! Saúde emocional!

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare
meditar

Arteterapia

“Arteterapia é um processo terapêutico que se serve do recurso expressivo a fim de conectar os mundos internos e externos do indivíduo, através de sua simbologia”
 

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare