A droga é feita com substâncias que imitam efeito do THC (princípio ativo da maconha)  e causa overdose. A nova droga é chamada de “maconha sintética”. Saiba mais…

São Paulo. No mês passado, os Estados Unidos viram um aumento vertiginoso do número de internações causadas pelo uso da chamada “maconha sintética”. O produto é feito com plantas borrifadas com substâncias químicas que mimetizam os efeitos do principal ingrediente psicoativo da maconha, o THC.

A versão sintética, porém, pode ser bem mais potente. Surgiu nas ruas dos EUA em 2008 e logo se tornou disponível em lojas de conveniência, estabelecimentos que vendem equipamentos para fumo e na internet.

Em janeiro deste ano, os centros de controle de intoxicações do país registraram 359 casos de problemas de saúde ligados ao produto. Em fevereiro e março, foram 273 e 269 casos, respectivamente, mas o número de internações subiu para 1.500 em abril.

Segundo Steven Marcus, diretor executivo do sistema de educação e informação sobre intoxicações de Nova Jersey, uma possível explicação para esse aumento é um composto chamado “MAB-Chminaca”, encontrado em testes realizados com amostras de maconha sintética confiscada pela polícia em diversos Estados norte-americanos onde as pessoas foram internadas.

O MAB-Chminaca é relativamente novo e ainda não foi proibido. Um composto similar, AB-Chminaca, surgiu no mercado ilegal de drogas no ano passado e foi declarado ilegal em janeiro.

Popular. O produto se tornou popular porque é mais fácil de ser comprado, parece ser inofensivo e suas substâncias não são detectadas em testes de drogas, segundo o Instituto Nacional de Abuso de Drogas.

Maconha sintética

A maconha sintética, porém, pode ser mais potente do que a comum e causar vômitos, convulsões, alucinações, pressão alta, perda da consciência e até a morte.

Houve duas mortes por overdose no Mississippi e uma em Virginia. No Alabama, mais de cem pessoas foram internadas; em Nova Jersey, foram mais de 30. O Estado de Nebraska registrou mais de cem casos de overdose.

Em Nova York, houve mais de 120 atendimentos nos prontos-socorros ligados à maconha sintética durante pouco mais de uma semana em abril. Para efeito de comparação, foram duas ou três consultas por dia no começo do ano, segundo o departamento de saúde da cidade.

Extraído de: http://www.uniad.org.br/interatividade/noticias/item/23094-novo-composto-da-maconha-sint%C3%A9tica-leva-usu%C3%A1rios-ao-hospital

Busque ajuda!

Muitas vezes, devido ao consumo do álcool e/ou droga, o usuário coloca em risco aspectos importantes de sua vida, tais como família, emprego, saúde. Além disso pode não perceber os problemas decorrentes deste uso ou mesmo negá-los. Nesses momentos, não é raro os membros da família apresentarem sentimentos de raiva ou impotência frente ao usuário ou a situação.
Essas ocasiões deveriam se transformar em buscas de ajuda em unidades de saúde, conversas com um profissional e pessoas de referência na sua comunidade, adesão a grupos de ajuda e cursos.

Dependência Química:Como lidar?


Para lidar com um dependente químico, primeiro é preciso conhecer a doença, os sintomas de abstinência, a prevenção de recaídas e as questões psíquicas e emocionais que envolvem a dependência química.

A família é parte importante na recuperação do dependente químico!

 


Busque informações corretas sobre as drogas, pois os filhos deixam de acreditar no que os pais dizem quando percebem que as informações repassadas não correspondem à realidade.
Aqui você encontra alguns cursos completos sobre como lidar com a dependência química, e assim poder ajudar o dependente químico. Vale a pena fazer!

 

Conheça os cursos sobre a Dependência de Cocaína, Crack, Álcool e Maconha!
COMECE AGORA!

 

Dependência de Maconha: como lidar?Dependência de Maconha: como lidar?

O curso “Dependência de Maconha: como lidar?” é direcionado ao público geral, desde profissionais da área da saúde, educação a pais de dependentes químicos ou a quem esteja interessado em expandir seus conhecimentos e aprender informações atuais e práticas sobre a dependência de maconha. Mais informações >>

 

Para saber mais informações ou esclarecer dúvidas entre em contato conosco: sossobriedade@gmail.com

 

 

FacebookTwitterGoogle+PinterestTumblrLinkedInBlogger PostGoogle GmailWhatsAppPrintShare