terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Comportamentos compulsivos e os Sintomas de Abstinência Demorada

A recuperação da dependência química busca a manutenção de qualquer forma de abstinência de álcool e/ou drogas. Posto que a recuperação é um processo que dura a vida toda, o dependente químico sempre estará buscando a manutenção da sua sobriedade, através dos recursos e ferramentas disponíveis, como terapias pessoais e grupais, busca espiritual e a prática religiosa, grupos de apoio como NA e AA, entre outros suportes.

Comportamentos compulsivos e os Sintomas de Abstinência Demorada


Aquele que não busca estar envolvido com o programa de recuperação e com estes recursos disponíveis começa, aos poucos, experimentar os sintomas de abstinência demorada, o que pode facilitar a recaída.

sintomas de abstinenciaGonçalves (2002), em uma pesquisa realizada com dependentes em recuperação, constatou que ”Foi preciso mudar o ambiente (fazer coisas novas) para que o ambiente modificado (...) possa interferir sobre o indivíduo, modificando-o”. O autor define esta questão como ”positivamente reforçadoras” de comportamento e de mudança de estilo de vida, a fim de prevenir recaídas.

Milby (1988), diz que existem vários períodos de abstinência no curso da dependência, o que torna a manutenção da recuperação ainda mais necessária.

Por isso, durante o tratamento o dependente químico deve buscar todas as ferramentas necessárias para se fortalecer e, assim começar a lidar com os desafios e dificuldades da vida em sobriedade.

Durante o uso, éramos acostumados a lidar com os desafios e dificuldades sob os efeitos de drogas e/ou álcool, o que só aumentava os problemas. Agora, em sobriedade, temos o grande desafio de aprendermos a lidar com as nossas vidas de maneira sóbria, enfrentando as adversidades e os desafios com lucidez e serenidade.

Para Ferreira (2012):

A recuperação parcial começa quando o DQ - Dependente Químico depara com uma tarefa, acha que não vai conseguir realizar - ponto de bloqueio - a consequência é de uma sobriedade com baixa qualidade. Em vez de procurar ajuda, começa a negar o problema. A negação bloqueia a percepção de que algo está errado.

Assim, quando bloqueamos e negamos os nossos problemas e dificuldades, estamos reprimindo uma carga de energia negativa muito grande, o que pode gerar estress, angústia, ansiedade, inquietação, mal-estar, etc. Então, novamente começam a surgir os sintomas de abstinência.

Todos esses sintomas refletem no dia-a-dia do dependente químico através de hábitos, pensamentos e emoções negativas, tornando-se cada vez mais compulsivos. Percebe-se então, um comportamento parecido com o que o dependente tinha na vida de adição, onde antes, era compulsivo e refém do uso de álcool e/ou drogas, agora torna-se compulsivo e refém de seus próprios pensamentos, sentimentos e emoções, o que pode em um futuro próximo resultar no mesmo fim, o uso de álcool e/ou drogas novamente.

Todo esse sistema pode ser resumido através da seguinte sequência:


Tarefa + bloqueio = stress + negação = stress aumentado + ansiedade = comportamento compulsivo


por Rodrigo Longo



 Veja Também!

Hábitos e comportamentos negativos facilitadores da síndrome de abstinência demorada

Síndrome de abstinência demorada – Comportamentos compulsivos

Mudanças que auxiliam na manutenção da recuperação da dependência química

Quanto tempo a cocaína demora para sair do sangue?

Desintoxicação de cocaína

Dados do Artigo:
Comportamentos compulsivos e os Sintomas de Abstinência Demorada
Álcool e Drogas
Todos esses sintomas refletem no dia-a-dia do dependente químico através de hábitos, pensamentos e emoções negativas, tornando-se cada vez mais compulsivos.Saiba mais!

Fontes:
FERREIRA, D. B. Síndrome de abstinência. Jornal de Anápolis, 2012. Disponível em: http://www.oanapolis.com.br/v3/coluna.asp?name=FALANDO%20DE%20PSICOLOGIA&id=12108. Acesso em: 27 dez. 2013.
GONÇALVES, F.C.L.; GONÇALVES, M.J.L.; GUARANY, M.A. Dificuldades para abandonar as drogas: Uma comparação de relatos de egressos de sistemas de tratamentos fechado e aberto. Belém: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da UNAMA , 1999.
MILBY, J.B. A dependência de drogas e seu tratamento. São Paulo: Pioneira, 1988.
Postar um comentário