Como já vimos no texto sobre a reforma íntima, a busca da melhoria interior constante e o autoconhecimento é fundamental para vivermos este processo de mudança. Agora, o autoconhecimento nos convida à gestão interior e ao tratamento das nossas atividades mentais que nos conduzem ao progresso interno e à plenitude das virtudes, objetivo final de toda criatura.

Gestão interior

Cuidando da reforma íntima

reforma intimaCom todos os estudos existentes acerca dos pensamentos e dos seus efeitos sobre a saúde física, mental emocional e espiritual, nos resta cuidarmos bem do nosso mundo interior. Mas para termos pensamentos nobres, virtuosos e sadios não podemos descuidar do gerenciamento dos fatores internos que determinam os tipos e padrões elevados ou não de pensamentos.

A palavra gerenciar pode ser entendida como analisar, planejar, administrar, avaliar os resultados e retroalimentar os estímulos internos e atividades mentais positivas e eliminar o que é negativo e que nos afasta do nosso objetivo maior, a reforma íntima. Para isso, precisamos estar atentos quanto à geração dos pensamentos que vão determinar novos sentimentos, emoções, raciocínios, vontades, novas análises, conclusões, ações e reações. Estes, por sua vez, vão originar novos pensamentos, num fluxo dinâmico e numa inter-relação com as nossas novas ações e comportamentos que determinarão o novo ser.

Para a elevação, existem fatores determinantes que, em conjunto com a vontade e os esforços próprios, poderão criar um mundo íntimo elevado, dando origem a um novo ser e aniquilando os desequilíbrios internos que geram doenças.

Fatores determinantes dos padrões de pensamentos necessários à reforma íntima

gestao interiorSentimentos e emoções;

– Virtudes e religiosidade;

– Consciência, razão, compreensão, discernimentos, raciocínio, inteligência, sabedoria e conhecimento;

– Criatividade e imaginação;

– Experiências vividas;

– Percepção de nós mesmos e do mundo ao nosso redor;

– Questionamento contínuo;

– Temperamento;

– Sensações;

– Hábitos e vícios;

– Caráter;

– Necessidades, paixões, desejos e vontades;

– Ideais;

– Convívio e relacionamento com as pessoas;

– Convívio e relacionamento com o mundo (animais, plantas, coisas, situações, etc.);

– Nosso mundo interior gerador de palavras, atitudes e comportamentos;

– Sensualidade e prazeres;

– Imperfeições morais, doenças e sofrimentos;

– Percepções mentais e emocionais;

– Preocupações, acontecimentos diários, medos, preconceitos, traumas, ressentimentos e remorsos;

– Decisões, ações, reações e responsabilidade.

Gerenciando e melhorando essas fontes determinantes e geradoras de pensamentos, conseguimos passo-a-passo adquirir o controle de nós mesmos, eliminando as imperfeições causadoras de sofrimento. Como resultado, ganhamos em conquistas pessoais internas e externas, equilíbrio físico mental, emocional e espiritual, felicidade e paz de espírito.

por Rodrigo Longo

Tweet

Veja Também!

Reforma íntima

Meditando as nossas emoções – Superando as emoções negativas!

Confusão Mental –A prisão do ego

Desintoxicando-se dos pensamentos, sentimentos e emoções

Servir ao próximo – A terapia que liberta!

Dados do Artigo:

Gestão interior – Cuidando da reforma íntima
Espiritualidade

Analisar, planejar, administrar, avaliar os resultados e retroalimentar os estímulos internos e atividades mentais positivas e eliminar o que é negativo e que nos afasta do nosso objetivo maior, a reforma íntima. Saiba mais!

PSHC57H3SYTG

Share