1º PASSO
“Admitimos que somos impotentes perante o álcool e as drogas, e que perdemos o domínio sobre as nossas vidas”
Falo muito sobre drogas se gabando de falsas conquistas?
Tenho pensamentos secretos sobre uso controlados de drogas?

Tenho humildade para pedir ajuda quando preciso e para ouvir conselhos?
Estou buscando mudar pequenos hábitos negativos e defeitos de caráter?
Tento controlar minhas emoções diminuindo minha agressividade?
Tenho estado muito irritado, deprimido ou eufórico?
2º PASSO
“Admitimos que somente um Poder Superior a nós mesmos poderia nos devolver a sanidade”
Estou renunciando determinados prazeres e velhos hábitos, ou só renuncio aquilo que me convém?
Estou tendo auto-responsabilidade nas minhas atividades, ou faço as coisas por obrigação?
Busco me perdoar e perdoar as pessoas e as coisas que aconteceram no passado, ou guardo mágoas e ressentimentos?
Estou utilizando o meu tempo livre de maneira eficaz?
3º PASSO
“Decidimos entregar as nossas vidas e as nossas vontades aos cuidados de um Poder Superior, na forma em que o concebíamos.”
Estou com dificuldades em renunciar o que é negativo para a minha sobriedade?
Estou buscando ouvir as pessoas, amigos de recuperação e espiritualidade, ou sempre busco fazer as coisas do meu jeito?
Estou evitando as pessoas que tentam me ajudar?
Acho que a espiritualidade e as pessoas não podem me oferecer nada e que posso continuar a vida em sobriedade sozinho, sem a ajuda das pessoas?

Sinto que a cada dia me afasto mais do que quero?
4º PASSO
“Fizemos um minucioso e destemido inventário moral de nós mesmos.”
Estou sendo honesto em tudo o que faço, ou procuro me esquivar e não os meus erros?
 
Estou omitindo, mentindo ou distorcendo detalhes da minha vida?
Utilizo de mecanismos de defesa, justificando meus atos cometidos no passado, idealizando fatos negativos, ou seja, faço um erro meu parecer uma coisa boa?


5º PASSO
Admitimos perante o nosso Poder Superior, perante a nós mesmos, e perante a outro ser humano a natureza exata das nossas falhas.”
Estou conseguindo confiar mais nos meus amigos?

Estou conseguindo me abrir mais e expor meus sentimentos?

Tenho tido contato com meu padrinho de 5º passo?
6º PASSO
“Prontificamos inteiramente a deixar que o nosso Poder Superior remova todos esses defeitos de caráter.”
Estou vivendo o meu dia-a-dia com ânimo e disposição?
Estou sendo positivo e praticando ações que me tornam uma pessoa melhor?
Faço planos e traço metas concretas a fim de melhorar minha vida pessoal, profissional, familiar e social?
Consigo renunciar pequenos hábitos negativos do dia-a-dia sem ficar mal humorado ou irritado?
Estou buscando a melhoria contínua em minha vida em todos os sentidos?
  
7º PASSO
Humildemente rogamos ao nosso Poder Superior que nos livre das nossas imperfeições.”
Sinto que estou curado e que não preciso mais de ajuda?
Busco ouvir a opinião dos outros ou quero fazer tudo do meu jeito?
Sinto que as pessoas dos Grupos de Apoio não têm nada a me oferecer?
Acredito que posso buscar a minha sobriedade sozinho?
Estou me freqüentando lugares e andando com pessoas que possam oferecer risco para a minha sobriedade?
8º PASSO
“Fizemos uma relação de todas as pessoas que tínhamos prejudicado e nos dispusemos a reparar os danos a elas causados.”
Tenho me preocupado em perceber os danos que posso ter causado no meu dia-a-dia?
Consigo pedir perdão quando prejudico alguém?
Consigo me colocar no lugar do outro?
Procuro me perdoar quando erro, ou acho que eu não posso errar e procuro ser perfeito com medo de recair?
9º PASSO
“Fizemos reparações diretas dos danos causados a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-lo significasse prejudicá-las, ou a outrem.”
Fiz uma relação detalhada de danos e reparações antes de começar a praticá-las?
Tem alguma reparação que não desejo realizar?
Tenho falado com o meu padrinho de 5º passo ou com algum amigo com quem partilho a minha vida, sobre essas reparações?
Tenho colocado em risco a minha recuperação por causa destas reparações?
Tenho prejudicado o outro com as minhas reparações?
10º PASSO
“Continuamos fazendo o inventário pessoal e quando estávamos errados o admitíamos prontamente.”
Tenho freqüentado grupos de apoio e/ou religiosos de acordo com a minha necessidade?
Tenho trocado, mais do que deveria, a participação nestes grupos por atividades não relacionadas com a manutenção da minha sobriedade?
Tenho percebido variações súbitas de humor no meu dia-a-dia?
Tenho tido reclamações sobre o meu comportamento ou meu estado de ânimo por parte das pessoas da minha convivência (família, trabalho, grupos)? O que tenho feito a respeito?
Tenho sido capaz de enxergar as minhas conquistas e vitórias, ou somente tenho me focado naquilo que me falta, naquilo que ainda não consegui ou naquilo que tenho feito de errado?
11º PASSO
“Procuramos, através prece da meditação, melhorar nosso contato consciente com Deus, na forma em que O concebíamos, rogando apenas o conhecimento de Sua vontade em relação a nós, e forças para realizar essas vontades.”
Tenho reservado tempo para as questões espiritual, ou me tornando dia-a-dia uma pessoa materialista?
Tenho meditado, procurado ficar em silêncio para uma reflexão interior?
Procuro ajudar outras pessoas, ou só penso em minhas necessidades?
Como está a qualidade dos meus relacionamentos?
12º PASSO
“Tendo experimentado um despertar espiritual, graças a estes passos, procuramos transmitir esta mensagem a outros dependentes e a praticar estes princípios em todas as nossas atividades.”
Estou vivendo conscientemente, no meu dia-a-dia, os princípios contidos nos 12 Passos? Como? Quando?
Tenho tentado ajudar outros dependentes, quando surge a oportunidade, ou tenho evitado este trabalho?
Tenho assumido posturas inadequadas na tentativa de ajudar outros dependentes, sendo arrogante, como me colocando no lugar do outro, não compreendendo o sofrimento do outro?


UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!


Referências bibliográficas:

Share